quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Desejos para o Ano Novo

Eu te desejo tempo, para que no nervosismo do cotidiano aches a tranquilidade e o descanso necessário.
Eu desejo que reconheças que, cada obstáculo em tua vida, contém novas possibilidades de crescer.
Eu te desejo alegria, em reconhecer as pequenas coisas da vida e te alegrar com elas.
Eu te desejo serenidade para encarar as tempestades da vida com firmeza e segurança.
Eu te desejo a certeza que Deus existe, e que está ao teu lado todos os dias e horas da tua vida.
Isto eu te desejo!

(Esther Lieberknecht)

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

"A gente não se liberta
de um hábito
atirando-o pela janela:
é preciso fazê-lo descer a escada,
degrau por degrau."

Mark Twain.

domingo, 20 de dezembro de 2009

A FITA ROSA

O que os homens tem a ver com o câncer de mama?

Um elegante homem de meia-idade entrou calmamente em um café e sentou-se.
Antes de fazer seu pedido, ele pôde perceber que um grupo de rapazes, sentados a uma mesa próxima, estavam rindo dele. Ele logo deduziu que o motivo era uma pequena faixa rosa na lapela de seu terno.
Muito incomodado com a situação, ele mostrou a faixa aos rapazes e perguntou:
- É isto?
Todos gargalharam. Um deles disse: – Desculpe-me cara, mas nós estavamos apenas comentando como esta pequena faixa fica bonita no seu terno azul.
O homem, então, tranqüilamente, convidou-o para sentar-se com ele. O rapaz, apesar de constrangido, concordou.
Educadamente, o homem lhe explicou que estava usando a faixa para alertar as pessoas sobre o câncer de seio. E concluiu:
- Eu uso isto em honra da minha mãe.
O diálogo prosseguiu:
- Oh, lamento amigo. Ela morreu de câncer nos seios…
- Não. Ela esta viva e passa bem. Entretanto, seus seios alimentaram-me na infância, e confortaram-me quando estava assustado, ou sentia-me solitário. Eu sou muito grato pelos seios de minha mãe e por sua saúde.
- Hummm, retrucou o rapaz – sei…
- E eu uso esta faixa em honra de minha esposa também.
- E ela também esta ok?
- Oh, sim. Ela está otima. Seus seios tem sido uma grande fonte de amor e prazer para nós dois; e com eles, ela nutriu e alimentou a nossa linda filha ha 23 anos. Eu sou agradecido pelos seus seios e por sua saúde também.
- Humm. E eu suponho que você use isto em honra de sua filha também?
- Não. É muito tarde para honrar a minha filha, usando isto agora. Minha filha morreu de câncer nos seios há um mês. Ela pensou que era muito jovem para ter esta doença; e quando, acidentalmente, notou um pequeno inchaço nos seios, ela ignorou-o. Ela pensou que estava tudo bem, uma vez que não sentia dores; e que não havia motivos para preocupar-se.
Chocado e envergonhado, o soberbo rapaz disse:
- Oh, cara, eu lamento muito.
- Então, em memória de minha filha, eu, orgulhosamente, também uso esta pequena faixa rosa. Através dela, tenho tido oportunidades de elucidar as pessoas. Agora, vá para casa e converse com sua esposa e suas filhas, sua mãe e seus amigos.
E o homem, então, deu ao rapaz uma faixa para que ele também a usasse.
O rapaz ergueu a cabeça, vagarosamente, e pediu:
- Você me ajuda a colocá-la?

III João 1:2 “Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como é próspera a tua alma.”

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

PAPO SÉRIO> VOCÊ SABE O QUE ESTÁ ACONTECENDO COM SEUS FILHOS??

Leia com atenção!!!

PULSEIRINHA DO SEXO>

São pulseiras comuns, que qualquer garota usaria para ir ao colégio,
feitas de silicone, em cores vibrantes e de aparência inocente.
Mas nos últimos dias passaram a deixar muitos pais preocupados
com rumores sobre seu verdadeiro significado. Segundo um modismo
que surgiu na Inglaterra e chegou ao Brasil recentemente, arrebentar
a pulseira de determinada cor obrigaria o portador da pulseira a se
submeter ao ato correspondente àquela cor. Pulseira amarela,
por exemplo, equivaleria a um abraço. Pulseira preta, a sexo.

Não demorou muito para a novidade se espalhar pela internet e chegar
ao Brasil. Redes sociais como Orkut e Facebook têm comunidades
dedicadas aos fãs das pulseiras. Uma delas já reunia 40 mil seguidores
na semana passada, a maioria perfis de crianças e adolescentes. Embora
seja comum encontrar jovens com o braço carregado de pulseiras, parte
deles parece desconhecer seu significado. “Eu parei de usar quando
descobri, mas vejo um monte de meninas do fundamental usando
sem saber”, diz a estudante Bárbara Campos, de 15 anos, aluna de
um colégio particular de São Paulo. Seu namorado, no entanto,
ainda carrega três pulseiras no pulso: uma preta, uma branca e
uma vermelha. “Se outra menina estourar as pulseiras dele,
eu vou ficar muito brava.”

Como pais e educadores deveriam reagir diante da conotação sexual de
uma inocente pulseira de silicone? “Proibir não adianta, porque o
adolescente pode se sentir excluído quando vir que os colegas
continuam usando”, diz a psicóloga Denise Diniz, da Universidade
Federal de São Paulo. “Os pais devem aproveitar a oportunidade
para debater sexualidade em casa.” Os colégios se dividem entre
proibir ou ignorar o uso das pulseiras. “Acreditamos que esse jogo
não passe de um modismo, mas os pais podem e devem impor seus
limites, sem alarde”, diz Silvana Leporace, coordenadora educacional
do Colégio Dante Alighieri, em São Paulo. Modismo ou não, não custa
nada para os pais dar uma olhadinha no que os filhos andam usando no pulso.

.......

10/12/2009 - 19:32 - Atualizado em 11/12/2009 - 21:57

A pulseirinha do sexo

Os jovens aderem à moda dos braceletes coloridos – muitos deles sem saber de seu significado erótico

Andres Vera

São pulseiras comuns, que qualquer garota usaria para ir ao colégio, feitas de silicone, em cores vibrantes e de aparência inocente. Mas nos últimos dias passaram a deixar muitos pais preocupados com rumores sobre seu verdadeiro significado. Segundo um modismo que surgiu na Inglaterra e chegou ao Brasil recentemente, arrebentar a pulseira de determinada cor obrigaria o portador da pulseira a se submeter ao ato correspondente àquela cor. Pulseira amarela, por exemplo, equivaleria a um abraço. Pulseira preta, a sexo.

Não se sabe como surgiu esse código nem como ele se espalhou entre os adolescentes. Na Inglaterra, as pulseirinhas ganharam o nome de shag bands (algo como “pulseiras da transa”). Lá também surgiu o jogo chamado “snap” (estouro, na tradução do inglês) e o dicionário de cores (leia o quadro abaixo). O assunto chamou a atenção da imprensa e virou motivo de alarde entre pais e educadores quando crianças do ensino fundamental começaram a usar as pulseiras.

Não demorou muito para a novidade se espalhar pela internet e chegar ao Brasil. Redes sociais como Orkut e Facebook têm comunidades dedicadas aos fãs das pulseiras. Uma delas já reunia 40 mil seguidores na semana passada, a maioria perfis de crianças e adolescentes. Embora seja comum encontrar jovens com o braço carregado de pulseiras, parte deles parece desconhecer seu significado. “Eu parei de usar quando descobri, mas vejo um monte de meninas do fundamental usando sem saber”, diz a estudante Bárbara Campos, de 15 anos, aluna de um colégio particular de São Paulo. Seu namorado, no entanto, ainda carrega três pulseiras no pulso: uma preta, uma branca e uma vermelha. “Se outra menina estourar as pulseiras dele, eu vou ficar muito brava.”

Vendidas por camelôs em qualquer cidade grande brasileira, a novidade ficou conhecida por aqui como pulseira cool (legal, na tradução do inglês), pulseira da amizade ou pulseira da malhação. Um pacote com 20 unidades, de cores sortidas, custa cerca de R$ 1. Entre os mais jovens e os que não levam o sentido do snap a sério, as pulseiras também resumem o “currículo” sexual da pessoa. Vale a mesma regra das cores: quem já fez sexo pode exibir sua pulseira preta. Os mais “populares” costumam usar a cor dourada.

Como pais e educadores deveriam reagir diante da conotação sexual de uma inocente pulseira de silicone? “Proibir não adianta, porque o adolescente pode se sentir excluído quando vir que os colegas continuam usando”, diz a psicóloga Denise Diniz, da Universidade Federal de São Paulo. “Os pais devem aproveitar a oportunidade para debater sexualidade em casa.” Os colégios se dividem entre proibir ou ignorar o uso das pulseiras. “Acreditamos que esse jogo não passe de um modismo, mas os pais podem e devem impor seus limites, sem alarde”, diz Silvana Leporace, coordenadora educacional do Colégio Dante Alighieri, em São Paulo. Modismo ou não, não custa nada para os pais dar uma olhadinha no que os filhos andam usando no pulso.



ESTOURO
Adolescentes com as “pulseiras da amizade”. Arrebentar a de outra pessoa é um convite à intimidade

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

As Estações


Um homem tinha quatro filhos. Ele queria que eles aprendessem a não julgar as coisas de modo apressado. Por isso, ele mandou cada um em uma viagem, para observar uma pereira que estava plantada num distante local.

O primeiro filho foi lá no inverno, o segundo na primavera, o terceiro no verão e o quarto filho no outono.

Quando todos haviam partido e retornado o pai os reuniu e pediu que cada um descrevesse o que havia visto.

O primeiro filho disse que a árvore era feia e retorcida.

O segundo filho disse que não, que ela era recoberta de botões verdes e cheia de promessas.

O terceiro filho discordou; disse que ela estava coberta de flores, que tinham um cheiro tão doce e eram tão bonitas, que ele arriscaria dizer que eram a coisa mais graciosa que ele jamais tinha visto.

O último filho discordou dos outros dizendo que a árvore estava carregada e arqueada, cheia de frutas, de vida...

O homem então explicou aos seus filhos que todos eles estavam certos, porque eles haviam visto apenas uma estação da vida da árvore...

Ele falou que não se pode julgar uma árvore ou uma pessoa, por apenas uma estação. A essência de quem eles são, o prazer, a alegria e o amor que vem daquela vida, podem ser medidos apenas no final, quando todas as estações estão completas.

Se você desistir quando for inverno, você perderá a promessa da primavera, a beleza do seu verão, a expectativa do outono.

Não permita que a dor de uma estação destrua a alegria de todas as outras.

Não julgue a vida apenas por uma estaçõ difícil.

Persevere atracés de caminhos difíceis e melhores tempos virão de uma hora para outra!!!

(retirado da agenda de 2010 da OASE)

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

O FILHO

Um homem muito rico e seu filho tinham grande paixão pela arte.
Tinham de tudo em sua coleção, desde Picasso até Rafael.
Muito unidos, se sentavam juntos para admirar as grandes obras de arte.
Por uma desgraça do destino, seu filho foi para guerra.
Foi muito valente, e morreu na batalha, quando resgatava outro soldado.
O pai recebeu a notícia e sofreu profundamente a morte de seu único filho.
Um mês mais tarde, justo antes do Natal, alguém bateu na porta...
Um jovem com uma grande tela em suas mãos disse ao pai:
"Senhor você não me conhece, mas eu sou o soldado por quem seu filho deu a vida, ele salvou muitas vidas nesse dia, e estava me levando a um lugar seguro quando uma bala lhe atravessou o peito, morrendo assim, instantaneamente. Ele falava muito do senhor e de seu amor pela arte".
E o rapaz estendeu os braços para entregar a tela:
"Eu sei que não é muito, e eu também não sou um grande artista, mas sei também que seu filho gostaria que você recebesse isto".
O pai abriu a tela. Era um retrato de seu filho, pintado pelo jovem soldado.
Ele olhou com profunda admiração a maneira em que o soldado havia capturado a personalidade de seu filho na pintura.
O pai estava tão atraído pela expressão dos olhos de seu filho, que seus próprios olhos se encheram de lágrimas.
Ele agradeceu ao jovem soldado, e ofereceu pagar-lhe pela pintura.
"Não, senhor, eu nunca poderia pagar-lhe o que seu filho fez por mim. Essa pintura é um presente".
O pai colocou a tela a frente de suas grandes obras de arte, cada vez que alguém visitava sua casa, ele mostrava o retrato do filho, antes de mostrar sua famosa galeria.
O homem morreu alguns meses mais tarde, e se anunciou um leilão de todas as suas obras de arte.
Muita gente importante e influente, com grandes expectativas de comprar verdadeiras obras de arte.
Em exposição estava o retrato do filho.
O leiloador bateu seu martelo para dar início ao leilão.
Começaremos o leilão com o retrato "O FILHO".
"Quem oferece por este quadro?" Um grande silêncio...
Então um grito do fundo da sala: "Queremos ver as pinturas famosas!!!", "Esqueça-se desta!!!!".
O leiloador insistiu... "Alguém oferece algo por essa pintura?? R$ 100? R$ 200?" Mais uma vez outra voz:
"Não viemos por esta pintura!, viemos por Van Goghs, Picasso,... Vamos as ofertas de verdade..."
Mesmo assim o leiloador continuou... "O FILHO!!! O FILHO!!! Quem leva o filho?"
Finalmente, uma voz : "Eu dou R$ 10 pela pintura", era o velho jardineiro da casa.
Sendo um homem muito pobre, e esse era o único dinheiro que podia oferecer. "Temos R$ 10! Quem dá R$ 20?" gritou o leiloador.
As pessoas já estavam irritadas, não queriam a pintura do filho, queriam as que realmente eram valiosas, para completarem sua coleção.
Então o leiloador bateu o martelo, "Dou-lhe uma, dou-lhe duas, vendida por R$ 10!!!"
"Agora vamos começar com a coleção!!!", gritou um.
O leiloador soltou seu martelo e disse:
"Sinto muito damas e cavalheiros, mas o leilão chegou ao seu final."
"Mas, e as pinturas?" disse os interessados.
"Eu sinto muito", disse o leiloeiro, "quando me chamaram para fazer o leilão, havia um segredo estipulado no testamento do dono. Não seria permitido revelar esse segredo até esse exato momento. Somente a pintura do filho seria leiloada; aquele que a comprasse, herdaria absolutamente todas as posses deste homem inclusive as famosas pinturas. O homem que comprou O FILHO fica com tudo!..."
Reflexão: Deus nos entregou seu filho, que morreu numa cruz a 2000 anos.
Assim, como o leiloador, a mensagem hoje é O FILHO, quem ama o filho tem tudo.
Compartilhe essa mensagem, com um amigo, alguém que goste muito.
Sua vida não é uma coincidência, é um reflexo de ti...

SITUAÇÃO BRASILEIRA ATUAL

Num país onde a audiência de programas televisivos como Ratinho e Leão Livre supera a da novela "Os Maias", obra de Eça de Queiroz, adaptada por Maria Adelaide Amaral e levada ao ar pela rede Globo, pode-se dizer que Sílvio Santos, com seu Show do Milhão, pelo menos tem prestado um bom serviço ao país, na medida em que seus telespectadores, na pior das hipóteses, têm acesso a informações bem mais úteis e sadias que aquelas apresentadas pelos senhores Ratinho e Leão.
As informações que podem ser obtidas ao assistir o Show de Sílvio Santos não se restringem às respostas - quando corretas, fornecidas pelos participantes do programa. Estas estão dentre as que considero sadias. A informação mais importante e mais útil é dada através do programa, que possibilita uma reflexão acerca da miséria intelectual das classes menos favorecidas que ali se expõem em troca de dinheiro, na esperança da realização de algum sonho. Na esmagadora maioria, o sonho da casa própria.
Há poucos dias fiquei comovida com uma participante do programa em questão. Tratava-se de uma jovem de 15 anos, natural de Ilhéus, na Bahia, aluna do segundo ano do ensino médio de uma escola pública. A moça disse ao apresentador do programa que a mãe comprara a revista do SBT enviando o cupom correspondente em seu nome. A filha deveria ser considerada o membro da família mais preparado intelectualmente para tal empreitada. Na platéia o pai, motorista de táxi, fitava a filha com orgulho. A moça, quando indagada sobre a razão de sua presença no programa respondeu que seu único e grande sonho era pagar um tratamento para a mãe, acometida de uma doença que está lhe paralisando as pernas. Nem ela nem o pai souberam dizer qual a doença, nem tinham idéia do preço do tratamento.
As primeiras perguntas, como sabem os que já assistiram o Show do Milhão, são as mais fáceis possíveis. Para meu espanto, a jovem do 2º ano do Curso Médio quase nada sabia. Queimou todas as suas possibilidades pedindo cartas, pulando as perguntas e pedindo ajuda aos universitários. Por sorte, com toda essa ajuda, chegou, se não me engano, aos 30.000 reais. Daí para frente, era tudo ou nada. Eis então que a pergunta apresentada era a seguinte:
Machado de Assis escreveu: a) O Auto da Compadecida; b) Quincas Borba; c) A Bela Adormecida; d) esta alternativa não consigo me lembrar. Como não tinha mais nada a que nem a quem recorrer a garota disse que a obra de Machado era A Bela Adormecida.
Sílvio Santos deu todas as dicas possíveis para que a moça percebesse que era Quincas Borba, mas a moça disse que estava convencida da resposta, ou seja, do chute, que estava dando. O que mais me comoveu nessa história toda, não foi o fato de que a moça saiu dali, talvez, sem o dinheiro suficiente para o tratamento da mãe. Ou talvez tenha, pois nem ela nem o pai tinham idéia do valor necessário para a realização do sonho da filha.
O mais comovente nessa história é a certeza de que vivemos na ilusão de um Estado Democrático de Direito. Num eterno estado de coisas nem democrático - porque não é justo, nem provido do mínimo direito a uma educação decente o suficiente que propicie a uma aluna do 2º ano do curso médio de uma escola pública o conhecimento de que um tal Machado de Assis não teria escrito a Bela Adormecida. Sim, porque pior do que não saber que Quincas Borba é uma obra de Machado de Assis é pensar que A Bela Adormecida seria uma obra dele.
Pergunto ao leitor: um aluno que, pelo jeito, nunca ouviu falar em Machado de Assis terá a oportunidade de chegar aos bancos da Universidade? Fico pensando se aquela jovem de Ilhéus conhece ao menos Jorge Amado, baiano como ela, e mais, que usou a terra natal da moça como cenário de alguns de seus livros. Jovem da Bahia, terra de ACM. Seria este conhecido por ela e seus familiares? Creio que sim. Bela jovem de Ilhéus, adormecida pela ignorância provocada pela falta de qualidade da educação pública no país.
Triste povo brasileiro adormecido que não se compadece com os excluídos da sociedade. Infeliz população que passivamente assiste ao show de um presidente que governa soberano através de Medidas Provisórias. O que era para ser exceção virou regra.
Triste da nação que assiste passivamente as atitudes de um Legislativo que legisla como quem dança conforme a música; que assiste sem a mínima consciência a tentativa de se calar o Ministério Público sem analisar o significado e as conseqüências de tal medida; de um povo que assiste de modo inerte o quanto está hoje comprometida a independência do Poder Judiciário. Inércia só compete ao juiz, que precisa ser provocado para realizar a justiça. Ao cidadão compete ser responsável, fazendo valer seus direitos e, antes de tudo, cumprindo seus deveres. Responsabilidade, pressuposto da cidadania, significa responder pelos atos praticados. Só podemos responder por aquilo que conhecemos. A moça não pode responder as perguntas de Sílvio Santos porque é mais uma vítima de um sistema cruel.
Mais cruel é saber que no show do Brasil do terceiro milênio a classe média continua no papel de mera espectadora. Justamente a classe que deveria ser a mais responsável. Porque nem é pobre nem é rica. É a classe que não tem identidade. Tem apenas ilusão: a de viver numa plena democracia. Democracia, decididamente, não é um país onde poucos têm muito e milhões passam fome.
Triste de um povo que vive numa sociedade dividida em classes sociais das quais a média não se organiza, mas assiste passivamente ao show de competência dado pelo poder de organização dos presos, comandados pelo PCC, uma organização criminosa. Vide os presídios de São Paulo, que realizaram 29 rebeliões simultâneas, mobilizando 27.000 detentos, o que serve para nos alertar sobre o fato de que o crime está mais organizado do que pensamos.
Infeliz do povo que não percebe que o show está apenas começando. O show dos milhões, que não conhecem Machado de Assis, mas que começam a se organizar, ensinando às classes mais favorecidas que uma sociedade egoísta, fundada no individualismo só tende a piorar. O jogo do Show do Milhão, pelo menos, possibilita a alguns a realização do sonho da casa própria. O jogo da vida, muito mais complexo, não tem possibilitado nem a esperança de um mundo mais digno para nossos filhos. Em tempo: Aquele tal de Machado de Assis termina seu livro Memórias Póstumas de Brás Cubas dizendo " Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado de nossa miséria".

Maria Luiza Tonelli - Professora

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

COP 15

"Começou dia 7 a 15ª Conferência das Partes da Convenção do Clima, que irá marcar as nossas vidas para sempre."

Esse acordo sucederá o Protocolo de Kioto,
e as decisões que tomarem influenciará o futuro de todos nós.
Então, se cada um fizer um pouquinho, quem sabe, ajuda
mas se não ajudar, pelo menos se fica com a consciencia tranquila!


Proponho fazermos um movimento na internet!
E Maria Oliveira do blog "fazendo arte" criou o Selinho abaixo que significa a influência da poluição no clima!


Convido a todos a copiar o Selo Poluição: Não! e publicar em seus blogues!
(e convidem mais amigos para postá-lo também)


Poluição: NÃO!
Pollution: NO!






VEJA MAIS:
* procure por algum evento perto de você e participe!


(No Brasil tem até agora 111 eventos)

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

As mãos



As tuas quais são?

Há mãos que sustentam e mãos que afagam;
Mãos que edificam e mãos que destroem;
Mãos que denunciam e mãos que anunciam;
Mãos que se abrem e mãos que se fecham;
Mãos que ferem e mãos que cuidam das feridas;
Mãos que destroem e mãos que edificam;
Mãos que batem e mãos que recebem pancadas;
Mãos que apontam e guiam e mãos que desviam;
Mãos que são temidas e mãos desejadas e queridas;
Mãos puras e mãos que carregam censuras;
Mãos que pesam e mãos que aliviam;
Mãos que operam e curam e mãos que amarguram.

A diferença está no AMOR que as mãos carregam!

(retirado da agenda de 2010 da OASE)

Como acabar com um grupo


Não frequente as reuniões do seu grupo, mas, quando aparecer, procure algo para reclamar;

Se comparecer a qualquer atividade, encontre falhas no trabalho de quem está lutando pelo grupo;

Nunca aceite uma incumbência. Lembre-se que é mais fácil criticar do que realizar;

Se a diretoria pedir sua opinião sobre determinado assunto, responda que não tem nada a dizer e depois, em conversas particulares, espalhe como deveriam ser as coisas;

Não faça nada mais do que o absolutamente necessário. Porém quando os dirigentes estiverem trabalhando com boa vontade e com interesse para que tudo corra bem, afirme que seu grupo está "dominado por um grupinho";

Não leia os informativos do grupo e publicações sobre ele. Afirme que não tem assuntos de interesse e, melhor ainda, diga que não os recebe regularmente;

Se for convidado para qualquer cargo, recuse alegando falta de tempo. Depois critique com afirmações do tipo "Essa turma quer é sempre aparecer nos cargos...";

Sugira, insista e cobre realização de atividades. Quando o grupo realizar, não assuma nada. Melhor ainda, nem compareça;

Procure não incentivar atividades. Mas, quando o grupo as fizer com muito trabalho, afirme: "Eu sabia que ia dar certo";

Se receber um questionário de pesquisa ou formulário pedindo sugestões, não preencha. E, se a diretoria não adivinhar suas idéias e seus pontos de vista, critique e espalhe a todos que é ignorado;

Após toda essa colaboração espontânea, quando cessarem as publicações, as reuniões, o lazer e todas as atividades, enfim, quando o seu grupo se acabar, estufe o peito e afirme com orgulho: "Eu não disse?!"

(retirado da agenda de 2010 da OASE)

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

A marca que você deixa nas pessoas

Quando eu era criança, bem novinha, meu pai comprou o primeiro telefone da nossa vizinhança. Eu ainda me lembro daquele aparelho preto e brilhante que ficava na cômoda da sala. Eu era muito pequeno para alcançar o telefone, mas ficava ouvindo fascinado enquanto minha mãe falava com alguém.

Então, um dia eu descobri que dentro daquele objeto maravilhoso morava uma pessoa legal. O nome dela era "Uma informação, por favor" e não havia nada que ela não soubesse.

"Uma informação, por favor" poderia fornecer qualquer numero de telefone e ate a hora certa.

Minha primeira experiência pessoal com esse gênio-na-garrafa veio num dia em que minha mãe estava fora, na casa de um vizinho. Eu estava na garagem mexendo na caixa de ferramentas quando bati em meu dedo com um martelo.

A dor era terrível mas não havia motivo para chorar, uma vez que não tinha ninguém em casa para me oferecer a sua simpatia.

Eu andava pela casa, chupando o dedo dolorido ate que pensei:

- O telefone!

Rapidamente fui até o porão, peguei uma pequena escada que coloquei em frente à cômoda da sala.

Subi na escada, tirei o fone do gancho e segurei contra o ouvido. Alguém atendeu e eu disse:

-"Uma informação, por favor".

Ouvi uns dois ou três cliques e uma voz suave e nítida falou em meu ouvido.

- "Informações."

- "Eu machuquei meu dedo...", disse, e as lágrimas vieram facilmente, agora que eu tinha audiência. "A sua mãe não está em casa?", ela perguntou.

- "Não tem ninguém aqui...", eu soluçava. "Está sangrando?"

- "Não", respondi. "Eu machuquei o dedo com o martelo, mas ta doendo..."

- "Você consegue abrir o congelador?", ela perguntou. Eu respondi que sim.

- "Então pegue um cubo de gelo e passe no seu dedo", disse a voz.

Depois daquele dia, eu ligava para "Uma informação, por favor" por qualquer motivo.

Ela me ajudou com as minhas dúvidas de geografia e me ensinou onde ficava a Filadélfia. Ela me ajudou com os exercícios de matemática.

Ela me ensinou que o pequeno esquilo que eu trouxe do bosque deveria comer nozes e frutinhas. Então, um dia, Petey, meu canário, morreu. Eu liguei para "Uma informação, por favor" e contei o ocorrido.

Ela escutou e começou a falar aquelas coisas que se dizem para uma criança que está crescendo. Mas eu estava inconsolável.

Eu perguntava: "Por que é que os passarinhos cantam tão lindamente e trazem tanta alegria pra gente para, no fim, acabar como um monte de penas no fundo de uma gaiola?"

Ela deve ter compreendido a minha preocupação, porque acrescentou mansamente:

-"Paul, sempre lembre que existem outros mundos onde a gente pode cantar também..." De alguma maneira, depois disso eu me senti melhor.

No outro dia, lá estava eu de novo. "Informações.", disse a voz já tão familiar. "Você sabe como se escreve 'exceção'?"

Tudo isso aconteceu na minha cidade natal ao norte do Pacifico. Quando eu tinha 9 anos, nós nos mudamos para Boston. Eu sentia muita falta da minha amiga.

"Uma informação, por favor" pertencia aquele velho aparelho telefônico preto e eu não sentia nenhuma atração pelo nosso novo aparelho telefônico branquinho que ficava na nova cômoda na nova sala.

Conforme eu crescia, as lembranças daquelas conversas infantis nunca saiam da minha memória. Freqüentemente, em momentos de duvida ou perplexidade, eu tentava recuperar o sentimento calmo de segurança que eu tinha naquele tempo.

Hoje eu entendo como ela era paciente, compreensiva e gentil ao perder tempo atendendo as ligações de um menininho.

Alguns anos depois, quando estava indo para a faculdade, meu avião teve uma escala em Seattle. Eu teria mais ou menos meia hora entre os dois vôos.

Falei ao telefone com minha irmã, que morava lá, por 15 minutos. Então, sem nem mesmo sentir que estava fazendo isso, disquei o número da operadora daquela minha cidade natal e pedi:

- "Uma informação, por favor."

Como num milagre, eu ouvi a mesma voz doce e clara que conhecia tão bem, dizendo:

-"Informações." Eu não tinha planejado isso, mas me peguei perguntando:

- "Você sabe como se escreve 'exceção'?"

Houve uma longa pausa. Então, veio uma resposta suave: "Eu acho que o seu dedo já melhorou, Paul."

Eu ri. "Então, é você mesma!", eu disse. "Você não imagina como era importante para mim naquele tempo."

- "Eu imagino", ela disse. "E você não sabe o quanto significavam para mim aquelas ligações.

Eu não tenho filhos e ficava esperando todos os dias que você ligasse."

Eu contei para ela o quanto pensei nela todos esses anos e perguntei se poderia visitá-la quando fosse encontrar a minha irmã.

- "É claro!", ela respondeu. "Venha até aqui e chame a Sally."

Três meses depois eu fui a Seattle visitar minha irmã.

Quando liguei, uma voz diferente respondeu:

"Informações."

Eu pedi para chamar a Sally. - "Você é amigo dela?", a voz perguntou.

- "Sou, um velho amigo. O meu nome é Paul."

- "Eu sinto muito, mas a Sally estava trabalhando aqui apenas meio período porque estava doente.Infelizmente, ela morreu há cinco semanas."

Antes que eu pudesse desligar, a voz perguntou:

- "Espere um pouco. Você disse que o seu nome é Paul?

- "Sim."

- "A Sally deixou uma mensagem para você. Ela escreveu e pediu para eu guardar caso você ligasse. Eu vou ler pra você."

A mensagem dizia: "Diga à ele que eu ainda acredito que existem outros mundos onde a gente pode cantar também.

Ele vai entender." Eu agradeci e desliguei. Eu entendi...



NUNCA SUBESTIME A "MARCA" QUE VOCÊ DEIXA NAS PESSOAS

sábado, 21 de novembro de 2009

Vitaminas

Muitas pessoas optam por consumir cápsulas de vitaminas, quando as mesmas podem ser encontradas facilmente nos alimentos. O segredo da boa alimentação está, sobretudo, no equilíbrio das refeições. Combine proteínas, vitaminas, sais minerais. Confira aqui, onde encontrar as fontes de vitaminas naturais que seu organismo precisa.

Fontes de vitaminas:

Vitamina A
Fonte: Abacate, abóbora, alface, berinjela, brócolis, caju, cenoura, couve, espinafre, farinha láctea, fígado, germem de trigo, goiabada, leite, manga, melancia, melão, ovo, pera, queijo, tomate, vagem.
Benefícios: Visão, ossos, cabelos, dentes e hormônios.

Vitamina B1
Fonte: Abacate, abacaxi, abobrinha, aveia em flocos, brócolis, ervilha, farinha lactea, farinha de trigo integral, feijão preto, fígado, germem de trigo, maçã, macarrão, ovo, peixe, queijo, soja, trigo integral.
Benefícios: Disposição, coração, sistema nervoso e muscular.

Betacaroteno
Fonte: Cenoura, mamão, melão, pimentão amarelo e folhas verdes-escuras.
Benefícios: Estimula a produção de melanina, pigmento responsável para a cor da pele e neutraliza a ação dos radicais livres.

Vitamina B2
Fonte: Abacate, abóbora, açúcar mascavo, agrião, alface, brócolis, couve, ervilha, espinafre, farinha de trigo integral, feijão preto, fígado, germem de trigo, iorgute, leite, ovo, peixe, queijo, soja, trigo integral.
Benefícios: Oxigena e metaboliza os carboidratos.

Vitamina
Fonte: Abacaxi, agrião, batata-doce, brocolis, caju, chuchu, couve, ervilha, espinafre, goiabada, laranja, limão, mamão, manga, melancia, melão, pepino, repolho, tangerina, tomate, uva, vagem.
Benefícios: Formação dentaria, contra infeções, aumenta e estimula a absorção do ferro.
Facilita a produção de colageno, a principal proteína da pele, que ajuda na renovação das células.

Vitamina B5
Fonte: Milho, feijão, verduras de folhas, batata e banana.
Benefícios: Assaduras do bebê e inibição do crescimento.

http://mundoverde.com.br/NoticiaDetalhe.asp?Id_Noticia=324

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Brasileiro é um povo solidário. Mentira. Brasileiro é babaca.


- Brasileiro é um povo solidário. Mentira. Brasileiro é babaca.

Eleger para o cargo mais importante do Estado um sujeito que não tem escolaridade e preparo nem para ser gari, só porque tem uma história de vida sofrida;
Pagar 40% de sua renda em tributos e ainda dar esmola para pobre na rua ao invés de cobrar do governo uma solução para pobreza;

Aceitar que ONG's de direitos humanos fiquem dando pitaco na forma como tratamos nossa criminalidade...

Não protestar cada vez que o governo compra colchões para presidiários que queimaram os deles de propósito, não é coisa de gente solidária.
É coisa de gente otária.

- Brasileiro é um povo alegre. Mentira. Brasileiro é bobalhão.

Fazer piadinha com as imundices que acompanhamos todo dia é o mesmo que tomar bofetada na cara e dar risada.

Depois de um massacre que durou quatro dias em São Paulo, ouvir o José Simão fazer piadinha a respeito e achar graça, é o mesmo que contar piada no enterro do pai.
Brasileiro tem um sério problema.
Quando surge um escândalo, ao invés de protestar e tomar providências como cidadão, ri feito bobo.

- Brasileiro é um povo trabalhador. Mentira.

Brasileiro é vagabundo por excelência.
O brasileiro tenta se enganar, fingindo que os políticos que ocupam cargos públicos no país, surgiram de Marte e pousaram em seus cargos, quando na verdade, são oriundos do povo.

O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica indignado ao ver um deputado receber 20 mil por mês, para trabalhar 3 dias e coçar o saco o resto da semana, também sente inveja e sabe lá no fundo que se estivesse no lugar dele faria o mesmo.

Um povo que se conforma em receber uma esmola do governo de 90 reais mensais para não fazer nada e não aproveita isso para alavancar sua vida (realidade da brutal maioria dos beneficiários do bolsa família) não pode ser adjetivado de outra coisa que não de vagabundo.

- Brasileiro é um povo honesto. Mentira.

Já foi; hoje é uma qualidade em baixa.
Se você oferecer 50 Euros a um policial europeu para ele não te autuar, provavelmente irá preso.
Não por medo de ser pego, mas porque ele sabe ser errado aceitar propinas.

O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica indignado com o mensalão, pensa intimamente o que faria se arrumasse uma boquinha dessas, quando na realidade isso sequer deveria passar por sua cabeça.

- 90% de quem vive na favela é gente honesta e trabalhadora. Mentira.

Já foi.
Historicamente, as favelas se iniciaram nos morros cariocas quando os negros e mulatos retornando da
Guerra do Paraguai ali se instalaram.
Naquela época quem morava lá era gente honesta, que não tinha outra alternativa e não concordava com o crime.
Hoje a realidade é diferente.
Muito pai de família sonha que o filho seja aceito como 'aviãozinho' do tráfico para ganhar uma grana legal.
Se a maioria da favela fosse honesta, já teriam existido condições de se tocar os bandidos de lá para fora, porque podem matar 2 ou 3 mas não milhares de pessoas.
Além disso, cooperariam com a polícia na identificação de criminosos, inibindo-os de montar suas bases de operação nas favelas.

- O Brasil é um país democrático. Mentira.

Num país democrático a vontade da maioria é Lei.
A maioria do povo acha que bandido bom é bandido morto, mas sucumbe a uma minoria barulhenta que se apressa em dizer que um bandido que foi morto numa troca de tiros, foi executado friamente.

Num país onde todos têm direitos mas ninguém tem obrigações, não existe democracia e sim, anarquia.
Num país em que a maioria sucumbe bovinamente ante uma minoria barulhenta, não existe democracia, mas um simulacro hipócrita.
Se tirarmos o pano do politicamente correto, veremos que vivemos numa sociedade feudal: um rei que detém o poder central (presidente e suas MPs), seguido de duques, condes, arquiduques e senhores feudais (ministros, senadores, deputados, prefeitos, vereadores).
Todos sustentados pelo povo que paga tributos que têm como único fim, o pagamento dos privilégios do poder. E ainda somos obrigados a votar.

Democracia isso? Pense !

O famoso jeitinho brasileiro.
Na minha opinião, um dos maiores responsáveis pelo caos que se tornou a política brasileira.
Brasileiro se acha malandro, muito esperto.
Faz um 'gato' puxando a TV a cabo do vizinho e acha que está botando pra quebrar.

No outro dia o caixa da padaria erra no troco e devolve 6 reais a mais, caramba, silenciosamente ele sai de lá com a felicidade de ter ganhado na loto... malandrões, esquecem que pagam a maior taxa de juros do planeta e o retorno é zero. Zero saúde, zero emprego, zero educação, mas e daí?
Afinal somos penta campeões do mundo né?? ?
Grande coisa...

O Brasil é o país do futuro. Caramba , meu avô dizia isso em 1950. Muitas vezes cheguei a imaginar em como seria a indignação e revolta dos meus avôs se ainda estivessem vivos.
Dessa vergonha eles se safaram...
Brasil, o país do futuro !?
Hoje o futuro chegou e tivemos uma das piores taxas de crescimento do mundo.

Deus é brasileiro.
Puxa, essa eu não vou nem comentar...


Para finalizar tiro minha conclusão:

O brasileiro merece! Como diz o ditado popular, é igual mulher de malandro, gosta de apanhar. Se você não é como o exemplo de brasileiro citado nesse e-mail, meus sentimentos amigos continuem fazendo sua parte. Aí sim, teremos todas as chances de ser a maior potência do planeta.
Afinal aqui não tem terremoto, tsunami nem furacão.
Temos petróleo, álcool, bio-diesel, e sem dúvida nenhuma o mais importante: Água doce!

Só falta boa vontade, será que é tão difícil assim?

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Errar é humano.

"Errar é humano,
mas quando a borracha acaba antes do lápis,
estamos passando dos limites"
Bernard Shaw

Sexta Feira 13

A Sexta-feira no dia 13 de qualquer mês, é considerada popularmente como um dia de azar.

O número 13 é considerado de má sorte. Na numerologia o número 12 é considerado de algo completo, como por exemplo: 12 meses no ano, 12 tribos de Israel, 12 apóstolos de Jesus ou 12 signos do zodíaco. Já o 13 é considerado um número irregular, sinal de infortúnio. A sexta-feira foi o dia em que Jesus foi crucificado e também é considerado um dia de azar. Somando o dia da semana de azar (sexta) com o número de azar (13) tem-se o mais azarado dos dias.

Esta superstição pode ter tido origem no dia 13 de Outubro de 1307, sexta-feira, quando a Ordem dos Templários foi declarada ilegal pelo rei Filipe IV de França; os seus membros foram presos simultaneamente em todo o país e alguns torturados e, mais tarde, executados por heresia.

Outra possibilidade para esta crença está no fato de que Jesus Cristo provavelmente foi morto numa sexta-feira 13, uma vez que a Páscoa judaica é celebrada no dia 14 do mês de Nissan, no calendário hebraico.

Recorde-se ainda que na Santa Ceia sentaram-se à mesa treze pessoas, sendo que duas delas, Jesus e Judas Iscariotes, morreram em seguida, por mortes trágicas, Jesus por crucificação e Judas provavelmente por suicídio.

Além da justificativa cristã, antes disso existem duas outras versões que provêm da mitologia nórdica que explicam a superstição. Na primeira delas, conta-se que houve um banquete e 12 deuses foram convidados. Loki, espírito do mal e da discórdia, apareceu sem ser chamado e armou uma briga que terminou com a morte de Balder, o favorito dos deuses. Daí veio a crendice de que convidar 13 pessoas para um jantar era desgraça. Há também quem acredite que convidar 13 pessoas para um jantar é uma desgraça, simplesmente porque os conjuntos de mesa são constituidos, regra geral, por 12 copos, 12 talheres e 12 pratos.

Segundo outra versão, a deusa do amor e da beleza era Friga (que deu origem a frigadag, sexta-feira). Quando as tribos nórdicas e alemãs se converteram ao cristianismo, Friga foi transformada em bruxa. Como vingança, ela passou a se reunir todas as sextas com outras 11 bruxas e o demônio, os 13 ficavam rogando pragas aos humanos. Da Escandinava a superstição espalhou-se pela Europa.

(fonte wikipédia)
........................................................

A origem da sexta-feira 13
São três as explicações mais conhecidas, mas a mais forte delas tem sua raiz na crença católica

A crença de que o dia 13, quando cai em uma sexta-feira, é dia de azar, é a mais popular superstição entre os cristãos. Há muitas explicações para isso. A mais forte delas, segundo o Guia dos Curiosos, seria o fato de Jesus Cristo ter sido crucificado em uma sexta-feira e, na sua última ceia, haver 13 pessoas à mesa: ele e os 12 apóstolos.

Mas mais antigo que isso, porém, são as duas versões que provêm de duas lendas da mitologia nórdica. Na primeira delas, conta-se que houve um banquete e 12 deuses foram convidados. Loki, espírito do mal e da discórdia, apareceu sem ser chamado e armou uma briga que terminou com a morte de Balder, o favorito dos deuses. Daí veio a crendice de que convidar 13 pessoas para um jantar era desgraça na certa.

Segundo outra lenda, a deusa do amor e da beleza era Friga (que deu origem à palavra friadagr = sexta-feira). Quando as tribos nórdicas e alemãs se converteram ao cristianismo, a lenda transformou Friga em bruxa. Como vingança, ela passou a se reunir todas as sextas com outras 11 bruxas e o demônio. Os 13 ficavam rogando pragas aos humanos.

O número 13

A crença na má sorte do número 13 parece ter tido sua origem na Sagrada Escritura. Esse testemunho, porém, é tão arbitrariamente entendido que o mesmo algarismo, em vastas regiões do planeta - até em países cristãos - é estimado como símbolo de boa sorte. O argumento dos otimistas se baseia no fato de que o 13 é um número afim ao 4 (1 + 3 = 4), sendo este símbolo de próspera sorte. Assim, na Índia, o 13 é um número religioso muito apreciado; os pagodes hindus apresentam normalmente 13 estátuas de Buda. Na China, não raro os dísticos místicos dos templos são encabeçados pelo número 13. Também os mexicanos primitivos consideravam o número 13 como algo santo; adoravam, por exemplo, 13 cabras sagradas. Reportando-nos agora à civilização cristã, lembramos que nos Estados Unidos o número 13 goza de estima, pois 13 eram os Estados que inicialmente constituíam a Federação norte-americana. Além disso, o lema latino da Federação, "E pluribus unum" (de muitos se faz um só), consta de 13 letras; a águia norte-americana está revestida de 13 penas em cada asa.

(fonte Universia Brasil )

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Diquinhas de Organização - Roupas

cada pessoa se identifica com um jeito de organizar, aí vão algumas sugestões

Blusas frente única, tomara-que-caia ou de um ombro só devem sem penduradas de cabeça para baixo.

Em vez de graxa, o melhor é usar musse nos calçados. Para hidratar o couro - e isso vale para qualquer parte da casa - use água com três gotas de óleo de amêndoas.

Passe com uma bucha macia e use flanela ou fralda de pano para retirar o excesso. Repita o procedimento a cada uso.

Os cintos devem ficar próximos das calças. Nos armários masculinos, as gravatas ficam perto das camisas.

Os cintos devem ser presos pela fivela e podem ser guardados em ordem decrescente de cor.

Para limpeza de armários, o melhor é passar um pano úmido e depois um pano seco.
Lustra-móveis pode escurecer a madeira.

Carvão de churrasco numa latinha dentro do armário também tira a umidade.

A gaveta de lingerie pode ser forrada, mas não se deve usar plástico. O ideal é um forro de algodão, que deve ser lavado regularmente.

A roupa de cama deve ser guardada num volume só. Lençol de vira e fronha vão dentro da dobra do lençol de fora. O mesmo vale para toalhas. A de rosto vai dentro da de banho.

Colchas e edredons finos podem ser guardados em fronhas de algodão compradas avulsas no mercado.

Toalhas de lavabo podem ser guardadas em pé, enroladinhas - assim ocupam menos espaço. O mesmo vale para panos de prato na cozinha.

Revista época on line

(copiei do blog "desbagunçando")

sábado, 7 de novembro de 2009

Certo dia parei para observar as mulheres e
só pude concluir uma coisa: elas não são humanas.
São espiãs. Espiãs de Deus, disfarçadas entre nós.

Pare para refletir sobre o sexto-sentido.
Alguém duvida de que ele exista?

E como explicar que ela saiba exatamente qual mulher,
entre as presentes, em uma reunião,
seja aquela que dá em cima de você?

E quando ela antecipa que alguém tem algo contra você,
que alguém está ficando doente ou que você quer terminar o relacionamento?

E quando ela diz que vai fazer frio e manda você levar um casaco?
Rio de Janeiro, 40 graus, você vai pegar um avião pra São Paulo.
Só meia-hora de vôo.
Ela fala pra você levar um casaco, porque "vai fazer frio".
Você não leva. O que acontece?
O avião fica preso no tráfego, em terra, por quase duas horas, depois que você já entrou,
antes de decolar.
ar condicionado chega a pingar gelo de tanto frio que faz lá dentro!
"Leve um sapato extra na mala, querido.
Vai que você pisa numa poça..."
Se você não levar o "sapato extra", meu amigo,
leve dinheiro extra para comprar outro.
Pois o seu estará, sem dúvida, molhado...

O sexto-sentido não faz sentido!

É a comunicação direta com Deus!
Assim é muito fácil...
As mulheres são mães!

E preparam, literalmente, gente dentro de si.
Será que Deus confiaria tamanha responsabilidade a um reles mortal?

E não satisfeitas em ensinar a vida elas insistem em
ensinar a vivê-la, de forma íntegra,
oferecendo amor incondicional e
disponibilidade integral.
Fala-se em "praga de mãe", "amor de mãe",
"coração de mãe"...

Tudo isso é meio mágico...
Talvez Ele tenha instalado o dispositivo "coração de mãe" nos
"anjos da guarda" de Seus filhos
(que, aliás, foram criados à Sua imagem e semelhança).

As mulheres choram.
Ou vazam?
Ou extravazam?

Homens também choram, mas é um choro diferente.
As lágrimas das mulheres têm um não sei quê que não quer chorar,
um não sei quê de fragilidade, um não sei quê de amor
, um não sei quê de tempero divino,
que tem um efeito devastador sobre os homens...

É choro feminino.
É choro de mulher...

Já viram como as mulheres conversam com os olhos?

Elas conseguem pedir uma à outra para mudar de assunto com apenas um olhar.
Elas fazem um comentário sarcástico com outro olhar.
E apontam uma terceira pessoa com outro olhar.
Quantos tipos de olhar existem?

Elas conhecem todos...

Parece que freqüentam escolas diferentes das que freqüentam os homens!
E é com um desses milhões de olhares que elas enfeitiçam os homens.

EN-FEI-TI-ÇAM !

E tem mais! No tocante às profissões,
por que se concentram nas áreas de Humanas?
Para estudar os homens, é claro!
Embora algumas disfarcem e estudem Exatas...

Nem mesmo Freud se arriscou a adentrar nessa seara.
Ele, que estudou, como poucos, o comportamento humano, disse que a mulher era
"um continente obscuro".
Quer evidência maior do que essa?
Qualquer um que ama se aproxima de Deus.
E com as mulheres também é assim.

O amor as leva para perto dEle,
já que Ele é o próprio amor.
Por isso dizem "estar nas nuvens",
quando apaixonadas.
É sabido que as mulheres confundem sexo e amor.
E isso seria uma falha,
se não obrigasse os homens a uma atitude mais sensível e
respeitosa com a própria vida.
Pena que eles nunca verão as mulheres-anjos que têm ao lado.
Com todo esse amor de mãe,
esposa e amiga, elas ainda são mulheres a maior parte do tempo.
Mas elas são anjos depois do sexo-amor.
É nessa hora que elas se sentem o próprio amor encarnado e voltam a ser anjos.
E levitam.
Algumas até voam.
Mas os homens não sabem disso.
E nem poderiam.

Porque são tomados por um encantamento
que os faz dormir nessa hora.

Luís Fernando Veríssimo

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Nossa árvore de Natal!!!!




Ganhei essa árvore de Natal do blog da Madame Káthia

Levem também a árvore que simboliza o Natal

e enfeitem seus bloguinhos!!!!

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Parecia impossível, mas agora não é... Camisinha anti-estupro!



Eu nunca tinha imaginado uma coisa assim, mas descobri através de uma reportagem que existe uma arma inusitada criada para inibir estupros, na África do Sul.

É verdade!

Criada por Sonette Ehlers, que trabalha há muito tempo com mulheres vítimas de estupro. Ela desenvolveu uma camisinha feminina que solta farpas no pênis do agressor, que será forçado a procurar ajuda médica e neste momento acontece a denúncia à polícia.

Sonette conta que teve a idéia depois de ouvir uma das vítimas dizer "eu queria ter dentes lá embaixo". Após uma demonstração pública do que acontece com o agressor, em uma cidade o índice de estupros caiu para ZERO! Ela comenta: "O diretor de polícia me disse: 'Sonette, depois da sua apresentação, passamos três meses sem registrar um estupro sequer. Os homens ficaram com medo de que você tivesse deixado algumas dessas camisinhas por aqui".

A ideia é que a camisinha seja oferecida no mundo todo. O preservativo já está sendo produzido na Malásia. A distribuição será coordenada a partir da Alemanha. A meta é distribuir a Rape-aXe gratuitamente para mulheres em situação social vulnerável.

Pois é... Já é um começo, não é verdade?

Crédito: informações e trechos do texto extraídos do site Dw.World.de (http://www.dw-world.de)

(copiei do http://simplesoriginal-quel.blogspot.com/)

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Seja feliz do seu jeito

Procure seguir a intuição na hora de decorar. O que deve guiar seus passos é a sua essência. Basta ser fiel aos seus gostos e estilos para conseguir criar casas cheias de vida e personalidade

10 dicas para deixar a casa com a sua cara

1.Use cores e estampas de que gosta sem medo

2. Mude o astral dos ambientes com suas flores preferidas

3. Economize em coisas de menor importância para você investir naquilo que realmente ama

4. Renove com reforma móveis e objetos usados

5. Valorize o artesanato, ele pode ser tão bonito e significativo quanto uma obra de arte

6. Reserve um espaço para peças feitas por você ou pessoas queridas, como bordados, mantas, pinturas...

7. Exiba fotos, coleções e souvenirs para trazer boas lembranças e contar suas histórias

8. Permita que as crianças explorem a casa com liberdade

9. Tire do baú as louças herdadas de família

10. Deixe que sua casa transpire quem você é com objetos de infância, escola e trabalho

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Pequeno Breviário Shawiano - Bernard Shaw

Não há amor mais sincero que o da comida.

Cabe à mulher casar-se o mais cedo possível e ao homem ficar solteiro o mais tempo que pode.

A minha especialidade é ter razão quando os outros não a têm.

Quando um tolo pratica um ato de que se envergonha, declara sempre que fez o seu dever.

Quem nunca esperou não pode desesperar nunca.

Uma vida inteira de felicidade? Ninguém agüentaria: seria o inferno na terra.

O pior crime para com os nossos semelhantes não é odiá-los, mas demonstrar-lhes indiferença: é a essência da desumanidade.

Há duas tragédias na vida: uma, a de não alcançarmos o que o nosso coração deseja; a outra, de alcançá-lo.

Os ingleses nunca hão de ser escravos: eles são livres de fazer tudo o que o Governo e a opinião pública lhes permitem fazer.

(Jogo de xadrez) É um expediente tolo para fazer com que pessoas preguiçosas acreditem que estão fazendo algo muito inteligente, quando estão apenas perdendo tempo.

O lar é a prisão da moça e o hospício da mulher.

O martírio... é a única maneira de ganhar fama sem ter competência.

Quem deseja uma vida feliz com uma mulher bonita assemelha-se a quem quisesse saborear o gosto do vinho tendo a boca sempre cheia dele.

Não faças aos outros o que queres que te façam; os gostos deles podem ser diferentes dos teus.

Neste mundo sempre há perigo para aqueles que o temem.

Há apenas uma única religião, embora dela exista uma centena de versões.

Nunca espero nada de um soldado que pensa.

Sou abstêmio apenas de cerveja, não de champanha.

Não gosto de sentir-me em casa quando estou no estrangeiro.


George Bernard Shaw (1856-1950), polemista e dramaturgo, nasceu em Dublin e iniciou sua carreira como crítico de artes. Exercitou a ficção e o ensaio, mostrando o poder de fogo da ironia cortante e a visão do mundo peculiar em que vivia. Consagrou-se no teatro, deixando clássicos como "A profissão da sra. Warren" (1902) e "Pigmalião" (1913), esta última, sua peça mais popular, e que, em 1964, deu origem ao filme "My fair Lady". O autor foi agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura em 1925.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

O RELÓGIO DO SENHOR TÚLIO


António Torrado

Ao senhor Túlio sempre lhe fizera espécie como é que
os relógios trabalhavam incansavelmente e nunca
paravam.
– Dá-se-lhes corda e eles andam – explicavam ao senhor
Túlio, que tinha um relógio dos antigos, muito anterior aos
relógios de pilhas.
Mas o senhor Túlio não acreditava. Devia haver outro
mistério.
Um dia, o relógio dele parou, por mais corda que lhe
desse. Quando o senhor Túlio foi levá-lo a arranjar à
oficina de relojoaria, ficou maravilhado a olhar para o
maquinismo do seu querido relógio, que o relojoeiro
destapara.
– Tantas rodinhas. Nunca pensei – admirou-se ele.


Mas mais espantado ficou quando o relojoeiro, com um
pinça, tirou uma formiga já morta, que tinha encrencado o
mecanismo.
– Pronto. O desarranjo estava aqui – explicou o
relojoeiro, voltando a fechar a tampa do relógio.
O senhor Túlio estranhou:
– E não põe lá uma formiga nova?
– Para quê?
– Para fazer as vezes da que morreu. Como é que o
relógio pode trabalhar sem maquinista?
E se o senhor Túlio tivesse razão e fosse mesmo à conta
das formigas que os relógios conseguem trabalhar? É uma
ideia como outra qualquer e bastante divertida. Até dava
outra história.

FIM

Diga Não a Vacina suina,

não tome essa vacina antes de ter todas as informações, o governo não te dara assistencia caso voce tenha uma lesão ! Alerta



Ola pessoal, eu queria contar a voces, que faco parte de um movimento de conscientizacao, para acordar as pessoas que ainda acreditam em nosso sistema atual.
O sistema que controla o mundo, que nos da uma visao de realidade, quando na verdade a realidade que conhecemos e bem outra.
Nao quero me aprofundar nesse assunto aqui, porque esse e meu blog de artes.
Esse movimento e feito por todos que ja estao consciente dessa falsa realidade que nos fazem crer.
O movimento e composto de : cientistas, medicos, filosofo, artistas, pessoas de toda parte da nossa sociedade. Alguns estao sendo assassinados por isso.
Bom, enfim, aqui vou apenas deixar um pequeno alerta. Voces mesmo devem investigar e conhecer mais antes de aceitar qualquer coisa que venha dos GOVERNOS; todos, pois que todos fazem parte do controle de um sistema. Muito nocivo !

Eu disse Nao a Vacina, e ate agora nao estao me obrigando, mas se obrigarem vou lutar ate me injetarem a forca, pois que ja tive problemas neurologicos e ao tomar essa vacina com certeza terei uma lesao. Mas, os governos nao pagarao nada se isso acontecer , nem os laboratorios. Como pode, querem injetar algo na gente e nao temos nem a quem recorrer se algo der errado, nenhum direito de reclamacao.
Tenho amizade com Alex Jones, e outras pessoas que come ele, estao envolvidas em alertar a populacao. Por favor, procure pegar o maximo de informacoes antes de aplicar essa droga, ela e mais perigosa que a propria doenca.

Aqui como nos Estados Unidos, medicos e cientistas avisam que a vacina e perigosa sim. Se eles nao a querem, como podemos nos, leigos, aceita-la ?

Vejam mais informacoe aqui : http://amandonoegitolovinganegyptianii.blogspot.com/2009/09/vacina-contra-gripe-suina-verdade-que.html
e tbem nos videos (no blog da Fri, endereço abaixo, não consegui postar o vídeo)


(Copiei do blog "croche e trico da Fri
http://crocheetricodafri-friscrochet-tricot.blogspot.com/)

sábado, 17 de outubro de 2009

AINDA - Quando a vontade está no meio do caminho.
ANSIEDADE - Quando sempre faltam 5 minutos para o que quer que seja.
BELO - Tudo que faz os olhos pensarem ser coração.
DEDUÇÃO - O caminho entre o "se" e o "então"
DESILUSÃO - Quando anoitece em você contra a vontade do dia.
FÁBULA - Uma história que poderia ter acontecido de verdade, se a verdade fosse um pouco mais maluca.
IDADE - Aquilo que você tem certeza que vai ganhar de aniversário, queira ou não queira.
RAIVA - Quando o cachorro que mora em você mostra os dentes.
SAUDADE - É quando o momento tenta fugir da lembrança para acontecer de novo e não consegue.
SUCESSO - Quando você faz o que sempre fez, só que todo mundo percebe.
ZÍPER - Fecho que precisa de um bom motivo para ser aberto.

(Pequeno Dicionário das Palavras ao Vento, de autoria de Adriana Falcão)

......................................................................

"O que acontece quando a gente acorda nos dias dos quadradinhos brancos do calendário, depois do 31?"

......................................................................

"lá pelas tantas tem um dialogo assim entre uma menininha e seu pai:
- Bianca, você acredita em vampiros?
- Eu não acredito não papai...
- E em Deus você acredita?
- Sim, em Deus eu acredito!
- E o que você pediria a ele caso o encontrasse?
- Pediria para ele acabar com as coisas que não existem!!!!"

Do livro "Me dá o teu contente que eu te dou o meu"

........................................................................

Sabe como a Raquel pede bife à milanesa?
"Mãae, quero bife com roupinha!"

.........................................................................


"O doutor é o homem que escreve com aquela letra que se a gente escrevesse assim levava zero"

"O telefone é um aparelho preto que quando a gente erra o número outra pessoa atende"

"Sonho é o que dá um medo danado, mas quando a gente acorda a mãezinha está bem quentinha ali junto."

"O sexo é uma coisa que todo mundo tem, só com a diferença que nas mulheres é feminino e nos homens é masculino. É uma coisa que quando a gente quer saber mais sobre, a mamãe manda perguntar ao papai e o papai diz que depois explica."

"Os adultos são gente crescida que vive sempre dizendo pra gente fazer isso e não fazer aquilo. Interrompem sempre o que a gente está fazendo pra mandar fazer outra coisa que a gente não quer, mas quando a gente interrompe eles por qualquer motivinho o menos que apanha é uma espinafração na frente dos de fora. Adulto promete muita coisa, agora fazer mesmo que é bom eu nunca vi. Quando a gente cobra, eles dizem que menino chato ou então falam esqueceram e vão fazer no domingo que vem. Os adultos também obrigam a gente a vestir muito limpinho pra ir nas festas mas eles mesmos vão de qualquer maneira que às vezes, até dá vergonha, como aquela calça toda apertadinha da mamãe e aquela toda largona do papai. Eu quando crescer vou ser adulto só porque sou obrigado senão eu ia ser sempre pequenininho."

(Millôr)

......................................................................


"Ouça o silêncio!" - tentando fazer com que as outras crianças parassem de fazer barulho para que eu pudesse estudar.

........................................................................

uma pergunta de Carlos Drummond, no texto "A educação do ser poético".
Ele pergunta: "Por que as crianças em geral, são poetas e com o tempo deixam de sê-lo?"

...........................................................................

Read more: http://www.interney.net/blogs/inagaki/2007/09/28/crianca_tem_cada_uma/#comments#ixzz0UDcKSgQN
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

Criança tem cada uma...

Sinto inveja da desconcertante criatividade das crianças que, sem cabecismos concretistas ou ambições pseudo-literárias, de repente criam do nada sacadas poéticas como esta: - A cor do céu depende da hora, do tempo e de quem olha. Quem diz que o céu é azul, nem desconfia que, de noite, ele pode ser preto e, quando vai anoitecendo, pode até ser rosa ou vermelho. Quem diz que o céu é azul é analfabeto de céu.



Adultos são o que as crianças se tornam depois que começam a produzir hormônios e a largar sonhos pelo caminho. E é assim que nos tornamos maduros, responsáveis e burrocráticos. Não é de se estranhar, pois, o sucesso da coluna que o dramaturgo e pediatra Pedro Bloch publicava toda semana na revista Manchete, intitulada "Criança Diz Cada Uma". Nela, Bloch narrava tiradas espontâneas e engraçadíssimas, protagonizadas pelas crianças (de 3 a 11 anos de idade) que passavam pelo seu consultório (como a fala sobre a cor do céu do parágrafo acima).

Bloch compilou seus achados em dezenas de livros, dentre eles o Dicionário do Humor Infantil, meu predileto dentre todos por ter sido valorizado pelas ilustrações de Mariana Massarani, também autora de seis livros para crianças. Pena que o livro está fora de catálogo; tive de perambular por vários lugares até achar um lugar a fim de encontrar um exemplar para minha namorada. ;) Como não sou egoísta, compartilho aqui algumas das melhores definições deste sensacional dicionário:

ADULTO - É uma pessoa que sabe tudo, mas quando não sabe diz logo: "veja na enciclopédia".
ALEGRIA - É um palhacinho no coração da gente.
AMAR - É pensar no outro, mesmo quando a gente nem tá pensando.
BOCA - É a garagem da língua.
BONITA - "Se eu sou bonita ou inteligente? Se eu sou bonita, você vê na cara. E se eu sou inteligente, nem respondo a uma pergunta boba dessas".
CABELO - É uma coisa que serve pra gente não ficar careca.
CALCANHAR - É o queixo do pé.
CHOCOLATE - É uma coisa que a gente nunca oferece aos amigos porque eles aceitam.
COBRA - É um bicho que só tem rabo.
CRIANÇA - Ser criança é não estragar a vida.



DEUS - Um dia eu disse que Deus era muito distraído e todo mundo riu. Só não sei a graça que isso tem.
ELÉTRONS - São os micróbios da eletricidade.
ESPERANÇA - É um pedaço da gente que sabe que vai dar certo.
FÉ - É uma menininha, na praia, esvaziando o mar com um baldezinho de plástico furado.
FUTEBOL - É um jogo em que, às vezes, a trave joga melhor que o goleiro. Pega tudo.
FUTURO - É tudo que vem depois e, quando chega, já era.
INFERNO - É um lugar onde a gente morre muito mais.
MENTIRA - (ouve-se o estraçalhar de um vidro no banheiro e o menino grita) - "É mentira do barulho!"
MISTÉRIO - É uma coisa que a gente não sabe explicar direito e, quando explica, já não é.
NAMORADO - É uma pessoa que tem medo do claro.
NEVOEIRO - É poeira do frio.
PACIÊNCIA - É uma coisa que mamãe perde sempre.
PIADA - É uma coisa engraçada que perde a graça quando a pessoa avisa que vai ser.
POLUIÇÃO - É sujeira do progresso.
REDE - É uma porção de buracos amarrados com barbante.
REFLEXO - É quando a água do lago se veste de árvores.
RELÂMPAGO - É um barulho rabiscando o céu.
SAUDADE - É quando uma pessoa que devia estar perto está longe.
SONO - É saudade de dormir.
SORTE - É a gente acordar, se preparar pra ir pra escola e descobrir que é feriado nacional.
STRIP-TEASE - É mulher tirando a roupa toda, na frente de todo mundo, sem ser pra tomar banho.
TRISTEZA - É uma criança com gesso no pé, sem assinatura.
VEIAS - São raízes que aparecem no pescoço das meninas que gritam.
VIDA - A vida de muita gente é só gol contra.
VIDA - A vida a gente não explica. Vive.
XINGAR - Quando eu xingo a minha avó, só xingo a metade que é do meu irmão.

Definições infantis

- Paciência é uma coisa que mamãe perde sempre.

- Relâmpago é um barulho rabiscando o céu.

- Palhaço é um homem todo pintado de piadas.

- Sono é saudade de dormir.

- Arco-íris é uma ponte de vento.

- Deserto é uma floresta sem árvores.

- Felicidade é uma palavra que tem música.

- Rede é uma porção de buracos amarrados com barbante.

- Vento é ar com muita pressa.

- Cobra é um bicho que só tem rabo.

- Helicóptero é um carro com ventilador em cima.

- Esperança é um pedaço da gente que sabe que vai dar certo.

- Alegria é um palhacinho no coração da gente.

- Avestruz é a girafa dos passarinhos.

- Calcanhar é o queixo do pé.

- Chope é o refrigerante de adulto

(Fonte: "Dicionário de Humor Infantil", coletânea de definições espontâneas e achados poéticos de crianças
entre 3 e 11 anos de idade, compilada por Pedro Bloch )

COMO IRRITAR CADA SIGNO

ÁRIES
Fale com eles dando uma enorme pausa entre as palavras.
Não deixe que eles falem, ou, se falarem, corte pelo meio.
Diga como quer que façam as coisas e fique controlando.
Não demonstre paixão e aja como se você não gostasse dele(a).
Levante a voz cada vez que se quiser fazer entendido.
Dê uns cascudos na cabeça dele(a) de vez em quando. Lembre sempre que
eles estão querendo aparecer e, no meio de um grupo, dirija-se a ele (a),
advertindo - "Você fala eu, eu, eu, o tempo todo..."
Entre, sem pedir licença e alugue o tempo deles numa segunda feira de manhã.

TOURO
Gaste o dinheiro deles, peça para dar uma dentada no seu sanduíche ou na
sua maçã, desperdice seu material, não devolva suas coisas.
Fale com eles bem apressado, pulando direto às conclusões.
Se estiver na casa de um deles, mude a posição dos objetos quando eles
não estiverem olhando.
Se for possível, quebre estatuetas, bibelôs ou outros objetos de decoração da casa deles e depois pergunte - "Isto não tinha mesmo muita importância, não é?".
Encharque-se de perfume tipo "penteadeira de viuva", antes de andar de carro com eles.

GÊMEOS
Aborreça-os com lágrimas e longos monólogos sobre sua vida emocional.
Não converse com eles, em absoluto. Monopolize-os numa festa de forma
que eles não possam se movimentar nem conversar com mais ninguém.
Repita sempre - "De onde você tirou essa idéia?".
peça a eles para fazerem menos movimentos com os braços e mãos em público, e quando iniciarem um assunto, diga: Isso eu já sei! ou então: "Lá vem você de novo!".
Abra a porta do quarto deles e berre: Vai sair desse telefone ou não vai?"

CÂNCER
Insulte suas mães (com classe, é claro). Critique suas casas.
Advirta-os de que eles podem perder o emprego, ou que uma estrada está
para ser construída passando exatamente onde está situada sua casa.
Diga que aquela foto de família pendurada na sala é brega e confunda o retrato da "vovozinha querida" com o Mike Tyson.
Critique todos os "ex." dele (a): ex. namorados(as), ex. maridos (esposas), etc.
Jogue fora aqueles discos de Ray Coniff que ele(a) colecionava junto a
outras raridades.
Descubra aquele cantinho que ele(a) gosta de ficar e dê uma "geral", mudando tudo de posição.
Pegue objetos da gaveta dele(a) e não os reponha no lugar.

LEÃO
Tente ensiná-los alguma coisa da qual eles não entendam, e dê uma gozada
no final, como se fossem completos ignorantes. Ignore-os.
Esqueça o nome deles e pergunte "Qual é mesmo o seu nome?".
Em público, não os apresente às pessoas importantes.
Deboche do seu gosto, da sua elegância, da sua aparência.
Quando estiverem dramatizando uma situação, ria quando o caso for triste,
e faça caretas quando contarem uma piada.
Não preste atenção em nenhuma de suas histórias e depois diga:
"Desculpe, nem ouvi o que você estava falando".
Tire-os de cena, dizendo- "Depois você fala, tá?"

VIRGEM
Choramingue bastante.
Desarrume sua (dele) casa, atrapalhe sua programação, esqueça de
atarraxar a pasta de dente. Cheire feito um gambá.
Diante do armário do banheiro, indague "para que tanto remédio?".
Faça xixi na tampa da privada, ou, de preferência, no chão, em volta do
vaso.
Critique o jeito deles se vestirem.
Diga que aquele dentinho torto é "um charme". Use os vasos de planta
deles como cinzeiro, e enterre os palitinhos de fósforo na terra.
Depois de abraçá-los longamente, revele que você está fazendo um tratamento contra piolhos.

LIBRA
Diga bastante - "Isso é com você, decida logo!"
Leve-os a locais feios.
Aja de forma grosseira em público, tire melecas, arrote, fale palavrões, vire cerveja na mesa, chame o garçom pelo nome, peça pizza de alho e depois tente beijá-lo (a).
Critique seus parceiros. Recuse-se a debater com eles.
Dê para ele (a) um CD de Tiririca.
Faça piadinhas do tipo - "com esse vestido voce fica parecendo a garota
propaganda da Ultragaz".

ESCORPIÃO
Faça perguntas pessoais.
Saiba muito sobre eles e dê isso a entender. Obtenha mais sucesso do que eles e se vanglorie sobre isso; isto os mata .
Repita sempre -"Isso não é da sua conta!"
Abra e remexa suas gavetas.
Escreva coisas na sua agenda em código e depois deixe que ele (a) encontre "por acaso".
Cochiche com outras pessoas olhando para eles, rindo de vez em quando.

SAGITÁRIO
Dê a eles bastante responsabilidades.
Coloque realismo na sua filosofia.
Nunca ria das piadas deles.
Não tope nenhuma aventura ou quebra de rotina e esteja sempre de
mau-humor.
Quando pintar AQUELA aventura, diga, com ar entediado -"Não estou afim..."
Não aceite nenhum tipo de disputa ou jogo.
Repita sempre - "Isso são horas?"
Faça todo o possível para impedir aquela viagem de férias dele (a).
Faça insinuações sobre a pouca cultura dos pais dele (a) ou de outros
familiares.

CAPRICÓRNIO
Organize tudo para que se sintam inúteis.
Lembre-os de sua baixa posição social. Embarace-os em público: faça
escândalos, berre com eles, brigue com o caixa por causa deles.
Deixe-os esperando, nunca chegue na hora marcada.
Perca ou esqueça coisas importantes que ele (a)confiar a você: documentos, chaves, carteira.
Repita sempre "Você não tem responsabilidade!" Nada chateia tanto um
capricorniano como ser chamado de irresponsável.
Insinue que ele(a) está saindo com o (a) chefe(a) para crescer na empresa.
Repita de tempos em tempos - "Você é um chato!"

AQUÁRIO
Torne-se pessoal e íntimo.
Ao encontrá-los, dê um longo abraço e fique apertando-o contra o peito,
emocionado, lacrimejante. Insista para que eles liguem várias vezes por
dia para posicioná-los de seus movimentos.
Mude-se para a casa dele (a).
Faça-se passar por burro, tapado, e ainda queira ter razão.
Diga a eles o que "têm que fazer "e "quando e como fazer".
Exiba seus valores materiais na cara deles, tipo carro, jóias, dinheiro, posição social.
Pergunte sempre - "O que é que você está pensando?
Cite seus amigos sempre pelo nome e sobrenome.

PEIXES
Diga para agarrarem-se a si mesmos.
Marque encontro com eles em locais brilhantes, barulhentos, superpovoados, como o metrô da Cinelândia, por ex.
Deixe-os falando sem parar e no fim diga que não entendeu nada.
Grite, fale aos berros.
Conte os seus "segredos" deixe-os ficar emocionados com sua sinceridade,
depois ria e pergunte - "Mas você acreditou nisso?".
Convide-os para olhar as estrelas e fale sobre Alíquotas de exportação e
importação o tempo todo.
Arranhe o CD de Djavan deles, apague o cigarro no cristal que ele (a)
usa para meditar, deixe cair sua máquina fotográfica, sublinhe os livros que pegou emprestados dele (a).
Escolha filmes violentos.
Repita sempre que este negócio de romance, flores e bombons é tudo coisa
de boiola.
E pergunte sempre - "Você não vai tomar um banho antes de dormir?"

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Blog action Day




Blog Action Day é um evento anual que une blogueiros de todo o mundo postando mensagens sobre o mesmo assunto num mesmo dia. O nosso objetivo é sensibilizar e desencadear uma discussão global.
Primeiro e último, o objetivo do Blog Action Day é criar uma discussão. Nós pedimos aos blogueiros que reservem um único dia de sua programação e foquem-se num tema importante.

Ao fazer isso num mesmo dia, a comunidade de blogs efetivamente muda o assunto da Web e foca o público ao redor do mundo para a questão.

Com estas discussões naturalmente fluem idéias, conselhos, planos e ações. Em 2007, com o tema do Meio Ambiente, vimos blogueiros executando experiências ambientais, detalhando idéias inovadoras na criação de práticas sustentáveis, e focando as atenções das suas audiências para organizações e empresas que promoviam suas agendas verdes. Em 2008 nós cobrimos o tema da Pobreza, concentrando o foco das energias da comunidade blogueira em torno de discutir a ampla abrangência do tema sob várias perspectivas e identificando soluções inovadoras e inesperadas. Este ano pretendemos fazer o mesmo para as Alterações Climáticas, um problema que ameaça a todos nós.
Como Você pode Ajudar

Desde os menores jornais virtuais até grandes revistas on-line, o Blog Action Day trata da participação massiva. Qualquer pessoa é livre para participar do Blog Action Day e não há limites para o número de posts, o tipo de mensagens ou a direção de pensamentos e opiniões.

Conhecimento.

Outro dia no rio Grande do Sul, o seu presidente Lula se dirigindo a um grupo de investidores alemães disse o seguinte:

“Eu quero afirmar para os empresário espanhol…….”

Ele de improviso é mesmo uma besta.



Confundiu os alemães com os espanhóis e assassinou assim mesmo a concordância

Numérica, colocando devidamente no plural “os” desde que eram vários empresários e matando tudo no final singularizando o sujeito e o adjetivo qualificativo.

Este cara disse em uma entrevista em 2003, que realmente não havia lido nenhum livro completo em sua vida, e que havia sim lido trechos importantes de alguns livros mas que isto era irrelevante, pois possuía vivencia e instinto para poder arrumar o Brasil.

Aí está o resultado:

um Email com umas pérolas selecionadas de uma redação na prova de vestibular da UFMG.

Como é que esta gente conseguiu chegar até o vestibular?

Mas não se espante o Lula conseguiu chegar à presidência.

Onde vamos parar?

Vejam só o que alguns dos vestibulandos foram capazes de escrever na prova de redação da Universidade Federal de Minas Gerais, tendo como tema:

“A TV FORMA, INFORMA OU DEFORMA?”

A seleção e comentários pelo prof. José Roberto Mathias.


“A TV possui um grau elevadíssimo de informações que nos enriquece de uma
maneira pobre, pois se tornamos uns viciados deste veículo de comunicação”.
(Deus!)

“A TV no entanto é um consumo que devemos consumir para nossa formação,
informação e deformação”. (fantástica!)

“A TV se estiver ligada pode formar uma série de imagens, já desligada
não…” (ah bom, uma frase sobrenatural ) .

“A TV deforma não só os sofás por motivo da pessoa ficar bastante tempo
intertida como também as vista” (sem comentários ).

“A televisão passa para as pessoas que a vida é um conto de fábulas e com
isso fabrica muitas cabeças” (como é que pode?).

“Sempre ou quase sempre a TV está mais perto denosco (?) , fazendo com que
o telespectador solte o seu lado obscuro” (essa é imbatível)

“A TV deforma a coluna, os músculos e o organismo em geral” (é praticamente uma tortura!)

“A televisão é um meio de comunicação, audição e porque não dizer de
locomoção” (tudo a ver)

“A TV é o oxigênio que forma nossas idéias” (sem ela esse indivíduo não pode viver)

“…por isso é que podemos dizer que esse meio de transporte é capaz de
informar e deformar os homens” (nunca tentei dirigir uma TV)

“A TV ezerce (Puxa!!!) poder, levando informações diárias e porque não
dizer horárias” ( esse é humorista, além de tudo)

“E nós estamos nos diluindo a cada dia e não se pode dizer que a TV não
tem nada a ver com isso” (me explica isso? )

“A televisão leva fatos a trilhares de pessoas” (é muita gente isso, hein?)

“A TV acomoda aos teles inspectadores” (socorro!!!)

“A informação fornecida pela TV é pacífica de falhas” (vixe!)

“A televisão pode ser definida como uma faca de trezgumes. Ela tanto pode
formar, como informar, como deformar” (PQP, onde essa criatura arrumou essa faca???)

Sem etiqueta, sem preço

(do blog chega de bagunça)

Tem gente que vai dizer que esse post, não tem nada haver com o blog, mas eu digo que tem.
Muitas vezes a razão de termos tanta bagunça dentro de casa é a super valorização de objetos ou marcas. Esse artigo foi publicado em um jornal internacional e diz, mais ou menos assim:

Aquela poderia ser mais uma manhã como outra qualquer.
Eis que o sujeito desce na estação do metrô de Nova York, vestindo jeans, camiseta e boné.
Encosta-se próximo à entrada. Tira o violino da caixa e começa a tocar com entusiasmo para a multidão que passa por ali, bem na hora do rush matinal.
Mesmo assim, durante os 45 minutos em que tocou, foi praticamente ignorado pelos passantes.
Ninguém sabia, mas o músico era Joshua Bell, um dos maiores violinistas do mundo, executando peças musicais consagradas, num instrumento raríssimo, um Stradivarius de 1713, estimado em mais de 3 milhões de dólares.
Alguns dias antes, Bell havia tocado no Symphony Hall de Boston, onde os melhores lugares custaram a bagatela de mil dólares.
A experiência no metrô, gravada em vídeo, mostra homens e mulheres de andar ligeiro, copo de café na mão, celular no ouvido, crachá balançando no pescoço, indiferentes ao som do violino.
A iniciativa, realizada pelo jornal The Washington Post, era a de lançar um debate sobre valor, contexto e arte.
A conclusão é de que estamos acostumados a dar valor às coisas, quando estão num contexto.
Bell, no metrô, era uma obra de arte sem moldura. Um artefato de luxo sem etiqueta de grife.
Esse é mais um exemplo daquelas tantas situações que acontecem em nossas vidas, que são únicas, singulares e a que não damos importância, porque não vêm com a etiqueta de preço.
Afinal, o que tem valor real para nós, independentemente de marcas, preços e grifes?
É o que o mercado diz que podemos ter, sentir, vestir ou ser?
Será que os nossos sentimentos e a nossa apreciação de beleza são manipulados pelo mercado, pela mídia e pelas instituições que detêm o poder financeiro?
Será que estamos valorizando somente aquilo que está com etiqueta de preço?
Uma empresa de cartões de crédito vem investindo, há algum tempo, em propaganda onde, depois de mostrar vários itens, com seus respectivos preços, apresenta uma cena de afeto, de alegria e informa: Não tem preço.
E é isso que precisamos aprender a valorizar. Aquilo que não tem preço, porque não se compra.
Não se compra a amizade, o amor, a afeição. Não se compra carinho, dedicação, abraços e beijos.
Não se compra raio de sol, nem gotas de chuva.
A canção do vento que passa sibilando pelo tronco oco de uma árvore é grátis.
A criança que corre, espontânea, ao nosso encontro e se pendura em nosso pescoço, não tem preço.
O colar que ela faz, contornando-nos o pescoço com os braços não está à venda em nenhuma joalheria. E o calor que transmite dura o quanto durar a nossa lembrança.
O ar que respiramos, a brisa que embaraça nossos cabelos, o verde das árvores e o colorido das flores é nos dado por Deus, gratuitamente.


a partir de comentário de Willian Hazlitt, que circula pela Internet.

Dia do Professor





15 de outubro

Dia do Professor e da Professora

O Dia do Professor e da Professora é comemorado no Brasil em outubro, porque nesse mês, no ano de 1827, D. Pedro I propôs a criação das escolas primárias no país. No entanto, o documento se oficializou somente em 15 de outubro de 1933, e a data comemorativa só em 14/10/1963, com o decreto nº. 52.682.

A partir dessa data, o sistema educacional brasileiro sofreu muitas modificações, geradas pelas graves crises da nossa economia, pelos regimes políticos que se sucederam, pelos arrochos salariais, em todas as categorias profissionais, tendo como conseqüência a queda do nível da qualidade do ensino, porque atingiu principalmente a carreira do(a) professor(a) formador do pensamento da sociedade.

Estudos realizados em diversos países do mundo têm demonstrado que os professores estão sempre sujeitos a um profundo estresse, que abala sua saúde mental continuamente. Hoje, esse estresse já é reconhecido pelos organismos internacionais como "enfermidade profissional", cujos efeitos repercutem na sala de aula. É considerado não um fenômeno isolado, mas um fator de risco dessa profissão. No Brasil, a situação ainda é pior para o(a) professor(a), em razão das péssimas condições de trabalho.

Segundo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, lei nº. 9.394, de 20/12/1996, a formação de professores para atuação na educação básica, fundamental e média deverá ser de nível superior, em curso de licenciatura de graduação plena, em universidades e institutos superiores de educação. Mas o decreto nº. 3.554, de 7/8/2000, estabeleceu que "A formação em nível superior de professores para a atuação multidisciplinar, destinada ao magistério na educação infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental, far-se-á, preferencialmente, em cursos normais superiores".

Atendidas as formalidades legais, o professor terá jornadas de trabalho de 45 horas semanais, com um acréscimo de 10 a 20% desse tempo aos trabalhos relativos à escola, prestados na sua própria residência. Esse trabalho extra, além de não ser remunerado, tem efeitos nocivos sobre a produtividade e saúde dos educadores. Quanto ao número de alunos é superior a cinqüenta por classe, em todas as escolas públicas do país. O salário varia entre dois a sete salários mínimos, de acordo com a graduação do(a) professor(a). Por esse motivo, alguns professores lecionam para cerca de mil alunos em mais de vinte classes.

Para valorizar o professor, figura fundamental na transmissão de valores, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) lançou, em 1994, o Dia Mundial do Professor, que já é comemorado em mais de cem países no dia 5 de outubro. O Brasil, contudo, manteve sua festa tradicional, que acontece no dia 15.


quarta-feira, 14 de outubro de 2009

MULHERES:

HOMENAGEM ÀS “DONAS-DE-CASA”

Certo dia, uma mulher chamada Anne foi renovar a sua carteira de motorista.
Quando lhe perguntaram qual era a sua profissão, ela hesitou. Não sabia bem como se classificar.
O funcionário insistiu: O que eu pergunto é se tem um trabalho.
Claro que tenho um trabalho, exclamou Anne. Sou mãe.
Nós não consideramos isso um trabalho. Vou colocar dona de casa, disse o funcionário friamente.
Uma amiga sua, chamada Marta, soube do ocorrido e ficou pensando a respeito por algum tempo.
Num determinado dia, ela se encontrou numa situação idêntica. A pessoa que a atendeu era uma funcionária de carreira, segura, eficiente.
O formulário parecia enorme, interminável.
A primeira pergunta foi: Qual é a sua ocupação?
Marta pensou um pouco e sem saber bem como, respondeu:
Sou doutora em desenvolvimento infantil e em relações humanas.
A funcionária fez uma pausa e Marta precisou repetir pausadamente, enfatizando as palavras mais significativas.
Depois de ter anotado tudo, a jovem ousou indagar:
Posso perguntar o que é que a senhora faz exatamente?
Sem qualquer traço de agitação na voz, com muita calma, Marta explicou:
Desenvolvo um programa a longo prazo, dentro e fora de casa.
Pensando na sua família, ela continuou: Sou responsável por uma equipe e já recebi quatro projetos. Trabalho em regime de dedicação exclusiva. O grau de exigência é de 14 horas por dia, às vezes até 24 horas.
À medida que ia descrevendo suas responsabilidades, Marta notou o crescente tom de respeito na voz da funcionária, que preencheu todo o formulário com os dados fornecidos.
Quando voltou para casa, Marta foi recebida por sua equipe: uma menina com 13 anos, outra com 7 e outra com 3.
Subindo ao andar de cima da casa, ela pôde ouvir o seu mais novo projeto, um bebê de seis meses, testando uma nova tonalidade de voz.
Feliz, Marta tomou o bebê nos braços e pensou na glória da maternidade, com suas multiplicadas responsabilidades. E horas intermináveis de dedicação.
Mãe, onde está meu sapato? Mãe, me ajuda a fazer a lição? Mãe, o bebê não para de chorar. Mãe, você me busca na escola?
Mãe, você vai assistir a minha dança? Mãe, você compra? Mãe...
Sentada na cama, Marta pensou: Se ela era doutora em desenvolvimento infantil e em relações humanas, o que seriam as avós?
E logo descobriu um título para elas: Doutoras-sênior em desenvolvimento infantil e em relações humanas.
As bisavós, Doutoras executivas sênior.
As tias, doutoras-assistentes.
E todas as mulheres, mães, esposas, amigas e companheiras: Doutoras na arte de fazer a vida melhor.
* * *
No mundo em que os títulos são importantes, em que se exige sempre maior especialização, na área profissional, torne-se especialista na arte de amar.
Como excelente mestra, ensine aos seus filhos, através do seu exemplo, a insuperável arte de expressar sentimentos.
Ensine a difícil arte de interpretação de choro de bebê e de secar lágrimas de adolescente.
Exemplifique a renúncia, a paciência e a diplomacia. E colha, vitoriosa, ao final de cada dia, os louros do seu esforço nos abraços dos seus filhos e na espontaneidade de suas manifestações de afeto.
Existe um medo. As pessoas estão individualistas, com dificuldade de se comprometer. A pergunta hoje não é: Vamos nos encontrar amanhã? Mas: Qual o seu Orkut?

Rodrigo Santoro
, nas páginas da Tpm

PROVÉRBIOS

"Tempo difícil esse em que estamos, onde é mais fácil quebrar um átomo do
que um preconceito."
Albert Einstein

"A primeira conta telefônica após o modem, a gente nunca esquece."
Anônimo

"A esperança é um urubu pintado de verde."
Mário Quintana

"A normalidade é tão somente uma questão de estatística."
Aldous Huxley

"Diga a verdade e saia correndo."
Luiz G. M. Nozella

"Sexo causa gente."
Millor Fernandes

"Esperto é o homem que acredita em apenas metade do que lhe dizem. Genial é
o homem que sabe em que metade acreditar."
Anônimo

"Quer a faca caia no melão, ou o melão na faca, o melão vai sofrer."
Provérbio chinês

"Sempre tive pena de mim mesmo porque não tinha sapatos, até que encontrei
um homem que não tinha pés."
Anônimo

"Em terra de corcunda, o homem ereto é uma abominação."
Anônimo

"O sucesso de muitos livros deve-se à afinidade entre a mediocridade das
idéais do escritor e as do público."
Nicolas Chamfort

"O pessimista se queixa do vento, o otimista espera que ele mude, e o
realista ajusta as velas."
Anônimo

"Superego é a parte do juízo que é solúvel em álcool."
Anônimo

"Um homem com um relógio sabe que horas são. Um homem com dois relógios não tem tanta certeza."
Anônimo

"Do rio que tudo arrasta se diz violento, mas ninguém chama de violentas as
margens que o aprisionam."
Bertold Brecht

"O pior dos problemas da gente é que ninguém tem nada com isso..."
Mario Quintana

"Nunca fui capaz de responder à grande pergunta: o que uma mulher quer?"
Sigmund Freud

"O rio só atinge o seu objetivo porque aprendeu a contornar os obstáculos."
Anônimo

"Quando eu queria mudar o mundo, meu carro vivia cheio de gente."
Cazuza

"Espelhos deveriam pensar duas vezes antes de refletir."
Jean Cocteau

"Algo que aprendi em uma longa vida: toda nossa ciência, medida contra a
realidade, é primitiva e infantil - e ainda assim, é a coisa mais preciosa
que temos."
Albert Einstein

"Às vezes não recuar já é avançar."
Anônimo

"O computador surgiu para resolver os problemas que você não tinha."
Marcio S. Alvarez

"Viver é desenhar sem borracha."
Millôr Fernandes

"Aquele que sua força conhece e sua fraqueza esconde, vale um império."
Lao Tsé

"Errar é humano, culpar os outros é política."
Anônimo

"Mesmo quando as águias caminham, todos percebem que elas são capazes de
voar."
Anônimo

"Olho pro lago, vejo a lua. Olho prá lua, ué, cadê o lago ?"
Clarissa Manuchaguian

"Em terra de cego, quem tem um olho é rei, dois é deus e três é o diabo."
Mylton Mesquita Filho

"Só o que sinto explica o que faço."
Anônimo

"Enquanto não encontro o homem certo, vou me divertindo com os errados!"
Anônimo

"Se você não quer ser criticado, eis a solução: Não faça nada, não fale
nada, não seja nada."
Anônimo

"Sogra nunca deveria se chamar Esperança; pois a esperança é a última que
morre."
Anônimo

"Seja a mudança que você deseja ver no mundo."
Mahatma Gandhi

"O sorriso custa menos que a eletricidade e dá muito mais luz."
Provérbio escocês

"Agora sei a metade das coisas que julgava saber quando tinha 18 anos."
Pablo Picasso (já velho)

"Não respeite um homem pelos seus cabelos brancos, até mesmo os canalhas
envelhecem."
Anônimo

"Mulheres e elefantes nunca esquecem."
Dorothy Parker

"Minhoca é um absurdo: não tem pé nem cabeça!"
Anônimo

"Casar é trocar a admiração de vários homens pela crítica de um só."
Audrey Hepburn

"Para filosofia barata, não adianta inseticida."
Simone Dias Marques

"O maior mal do cigarro é que ele acaba."
Ariela Boaventura

"É melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é tolo, do que
falar e acabar com a dúvida."
Abrahan Lincoln

"Para pregar um prego sem machucar o dedo, basta segurar o martelo com as
duas mãos."
Luiz A.A. de Oliveira

"A mulher nua é uma mulher armada."
Victor Hugo

"Não desejarais a mulher do próximo, a não ser que o próximo esteja bem
distante."

"A paixão é uma febre passageira que começa com frêmito e termina com
bocejo."
Anônimo

"O destino não é uma questão de sorte, é uma questão de escolha; não é algo
a se esperar, é algo a se conquistar."
William Jennings Bryan

"Nada é tão perigoso quanto a certeza de ter razão."
François Jacob

"O difícil é aprender a ler. O resto está escrito."
Anônimo

"Casar é muito bom! É comida, festa, presentes... O ruim é ficar casado."
Anônimo

"Os esqueletos dos reis são apenas esqueletos."
Mikhail Naimy

"Quanto mais conheço os homens, mais admiro meu cachorro!"
Anônimo

"Ninguém vencerá a guerra dos sexos. Há muita confraternização entre os
inimigos."
Anônimo